Nasceu, finalmente

Não poderia haver expressão melhor para definir algo longamente gestado. Caso desse blog, cuja criação foi planejada durante meses. E adiada, muitas vezes, por ter sua humilde autora declinado da ideia. Afinal, a quem interessaria? A não ser a alguns poucos amigos com os quais compartilhei meus escritos, quase sempre produzidos à lápis em pequenos pedaços de papel.

A partir de agora, eles estarão na rede. À mercê de quem quer que seja. Disponível para quem tiver paciência de ler algumas palavras soltas, assim como as libélulas no céu que denominam esse espaço, mas que para mim, de certa forma, fazem algum sentido.

Sejam todos bem-vindos!

2 comentários:

Anônimo disse...

Impacientemente aguardado.
Lido, quando ainda "artesanal"
Acompanhei e aplaudi a criação.
Que, agora, voe solto pelas ideias e sentimentos.
E qeu tenha vida longa.
Besos,
da amiga.
Tati Lopes.

fernanda feltes disse...

Eis que chego à Câmara e recebo a notícia do nascimento. Como disse a Tati, impacientemente agurdado. Mas que bom que veio, e que bom que houve o meio, que é às vezes mais importante que o resultado. E fica como meu desejo, eu que sou aprendiz e nem devia dar pitaco: que não sumam os guardanapos, as folhas de rascunho ou as páginas de caderno. Sentir as letras, ah, é isso que ainda faz a diferença.

Um beijão, Danicota. Já estou com saudade de ti!