Vem aí: La Missionera



Um sonho antigo, acalentado por um grupo de amigos, finalmente começa a se tornar realidade. Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro (parafraseando a ata que deveria ter sido feita e não foi), La Missionera sai do papel ou, mais precisamente, do imaginário desses jovens adoradores do líquido precioso.

A fabricação de cerveja artesanal requer tempo e paciência. No domingo em questão, o processo durou cerca de oito horas, desde a moagem do malte até o último resfriamento e o início da fermentação.

Dava para ver o brilho nos olhos e a ansiedade a cada etapa do processo. Em pouco tempo, Los Comacheros, confraria de cervejeiros provenientes das Missões gaúchas, não só se reunirão para apreciar, degustar e principalmente conversar sobre cerveja, como poderão consumir seus próprio produto.

Depois de acompanhar de perto a feitura de La Missionera, só tenho a desejar boa sorte aos meninos e aguardar os 15 dias que faltam para poder experimentá-la. E posso afirmar que passei a dar mais valor (ainda) à união de ingredientes: malte, lúpulo, fermento e água. A alquimia perfeita. Plagiando o antigo slogan de um exemplar da espécie (de qualidade, digamos, duvidosa): Ou seja, cerveja.

Que venha La Missionera!

1 comentários:

André disse...

Com certeza, cada etapa cumprida era um momento único,
Estamos ansiosos pelo dia de degustá-la.
Valeu pela homenagem, hehehe
Bj